Fundo branco

A IMPORTÂNCIA
DO PROJETO

Afinal, qual a finalidade de um projeto? Neste subtítulo, descubram a função e os critérios de projeto para a Arquitetura, assim como os desenhos técnicos necessários para cada área.

A Importância do Projeto

 

AFINAL, QUAL A FINALIDADE DE UM PROJETO?

Antes de tudo, saiba que criamos projetos na nossa vida usualmente.

Quando queremos atingir determinados objetivos (construir uma casa, ter um corpo físico saudável, nos graduarmos) nós criamos um projeto para tal.

O projeto nada mais é que o produto final concebido após traçarmos o objetivo final, a situação atual e as ações que devemos tomar para atingirmos o que desejamos.

Em projetos técnicos, há uma análise minuciosa da situação atual e as ações são definidas após determinados critérios.

O projeto em Arquitetura consiste em um "Manual de Como Executar". É um compilado de informações e desenhos técnicos definidos pelo (s) projetista (s) após a observação e análise de determinados critérios. Todos esses critérios são minuciosamente estudados na fase de projeto para que a solução final seja a melhor possível quanto aos aspectos construtivos, técnicos, econômicos ambientais, culturais, psicológicos, sociais e políticos. Uma obra ou o protótipo de um objeto somente é iniciado, após inúmeras considerações informativas e técnicas que fizeram parte para sua concepção. O projeto final apresentado ao cliente/usuário, possui a finalidade de ser utilizado como um manual de como executar, isto é, para que seja atingido o objetivo, deve-se seguir exatamente o que está em projeto. O tempo de elaboração de projeto e o de execução variam bastante.

OS CRITÉRIOS DE PROJETO

​Sabemos que para atender da melhor forma possível aos aspectos construtivos, técnicos, econômicos ambientais, culturais, psicológicos, sociais e políticos é necessário respeitar determinados critérios que foram divididos aqui em 2 (duas) etapas principais:

  1. Análise do objetivo do projeto

  2. Concepção do projeto

A "análise do objetivo do projeto" foi dividido aqui em 3 (três) critérios e a "concepção do projeto" em 18 (dezoito).

ANÁLISE DO OBJETIVO DO PROJETO

Primeiramente deve-se saber o objetivo projeto em questão quanto ao tipo de uso (residencial, comercial, industrial, institucional, lazer etc), dimensão (pequena, média ou grande) e o público-alvo/usuário (características e quantidade, pois há diferenças em quem utiliza/rá uma casa, um apartamento, um mercado, um aeroporto etc). As interferências (impactos) que o objeto referido exerce/exercerá ao redor e vice versa é distinta e pode ser impactante no meio ambiente, na mobilidade urbana, na vizinhança etc.

Em seguida é analisar as legislações (arquitetônicas, urbanísticas, ambientais, do Código Civil etc) vigentes para saber se aquele tipo de uso, dimensão e público-alvo é permitido na localização de interferência e se sim, como fazê-lo legalmente.

Obs.: o fato do terreno e/ou imóvel ser do proprietário não lhe dá o direito de utilizá-lo de qualquer maneira. O inciso XXIII do Art. 5º da Constituição Federal de 1988 estabelece condições ao direito de propriedade alegando que a mesma (urbana ou rural) deve cumprir sua função social. O não cumprimento é inconstitucional e há penalidades determinadas em leis.

Finalizando essa primeira etapa, deve-se também ter uma percepção preliminar de como o projeto será concebido, o tempo de execução da obra, o capital disponível etc.

Após a etapa inicial (Análise do Objetivo de Projeto) é observado e analisado os seguintes critérios que contemplam de fato o compilado de informações técnicas e soluções para atingir o objetivo.

CONCEPÇÃO DO PROJETO

  • Localização do objeto em questão (terreno, imóvel, ambiente ou mobiliário), suas características físicas (idade, topografia, geologia), a existência de fauna e flora, recursos hídricos, ventilação natural e insolação e de infraestrutura urbana (rede de água e esgoto, rede elétrica e de dados, rede de gás natural);

  • Determinantes ao redor do objeto (vias, edificações, características ambientais ou socioeconômicas) que influenciam na localização/implantação do terreno, edificação, imóvel ou mobiliário;

  • Vias de acesso (localização, classificação e tipo de superfície);

  • Mobilidade urbana;

  • Exigências e necessidades dos usuários;

  • Aspectos psicossociais, culturais, demográficos, políticos e econômicos;

  • Estética e plasticidade da forma;

  • Conforto ambiental (insolação, ventilação natural e forçada, iluminação natural e forçada, acústica e ergonomia);

  • Técnicas construtivas;

  • Sistemas estruturais;

  • Instalações prediais;

  • Materiais de construção;

  • Revestimentos e acabamentos;

  • Tempo para entrega do projeto;

  • Mão-de-obra;

  • Logística para a execução da obra;

  • Tempo para a entrega da obra

  • Capital disponível para investimento.

​​

OS DESENHOS TÉCNICOS

O que compõe um projeto em arquitetura?

COMPÕEM O PROJETO DE ARQUITETURA DE EDIFICAÇÕES

  • Planta de Implantação

  • Planta de Locação

  • Planta Baixa do (s) Pavimento (s)

  • Planta de Cobertura

  • Corte Transversal

  • Corte Longitudinal

  • Elevações Externas

  • Quadro de Memorial Descritivo

  • Quadro de Índices Urbanísticos

  • Quadro de Áreas

  • Quadro de Esquadrias

  • Quadro de Notas e Observações Gerais

  • Quadro de Notas e Observações Específicas

COMPÕEM O PROJETO DE ARQUITETURA DE INTERIORES

  • Planta Baixa de Levantamento Arquitetônico (caso a edificação / ambiente já exista)

  • Planta de Reforma

  • Planta Baixa Construtiva

  • Planta Baixa com Ambientação / Disposição dos Mobiliários

  • Planta de Pontos Hidrossanitários

  • Planta de Pontos Elétricos, de Internet e de Dados

  • Planta de Mapeamento de Condicionadores de Ar

  • Planta de Automação

  • Planta de Iluminação

  • Planta de Forro de Teto

  • Planta de Paginação de Piso

  • Elevações internas

  • Planta de Marcenaria

  • Quadros e afins


COMPÕEM O PROJETO DE ARQUITETURA PAISAGÍSTICA

  • Planta Topográfica

  • Planta de Edificações e Vias (ruas, avenidas) existentes

  • Planta Botânica

  • Planta de Paginação de Piso

  • Planta de Iluminação

  • Planta de Mobiliário Urbano

  • Planta de Pontos Elétricos, de Dados, de Internet, de Telefonia e de TV

  • Planta de Pontos Hidrossanitários, de Drenagem e de Irrigação

O projeto paisagístico divide-se em:

  • Plano de Massas (proposta de ocupação da área com a localização e dimensão estimada para os diferentes usos, as interligações necessárias e a volumetria da vegetação em sua fase adulta);

  • Projeto (delimitação dos pisos e definição das espécies vegetais, equipamentos de lazer, mobiliário urbano, pontos de água e de luz);

  • Memorial Descritivo (descrição da forma de ocupação do terreno, suas relações com o meio no qual está inserido, explicando as razões e critérios que levaram à adoção das soluções.

COMPÕEM O PROJETO DE URBANISMO

  • Relatório de Vistoria do Terreno

  • Planta de Localização do Terreno no Município

  • Memorial do Partido Urbanístico

  • Projeto de Topográfico

  • Projeto de Sistema Viário

  • Projeto de Sistema de Água Potável

  • Projeto de Sistema de Saneamento

  • Projeto de Rede Elétrica

  • Projeto de Rede de Iluminação

  • Projeto de Gás Combustível

  • Projeto de Telefonia

  • Projeto de Zoneamento e Parcelamento do Solo

  • Projeto de Edificações Existentes e a Construir

  • Projeto de Arquitetura de Edificações

  • Projeto de Arquitetura Paisagística

O projeto urbanístico divide-se em:

  • Programa de Projeto: trata-se da sistematização das necessidades funcionais e sociais que caracterizam um tema de projeto. Neste manual, o programa refere-se aos projetos de arquitetura e urbanismo;

  • Projetos de Urbanização: Urbanismo, Terraplenagem, Paisagismo, Drenagem, Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário, Eletricidade e Telefonia;

  • Projetos de Edificação: Arquitetura, Estrutura e Fundações, Instalações Hidrossanitárias, Elétrica, Gás Combustível e Telefonia.

 

 

O PROJETO LEGAL

No que consiste o Projeto Legal?


Determinados projetos (como construção e regularização de edificações) necessitam serem aprovados pelo órgão fiscalizador responsável (geralmente pela prefeitura municipal). Tais órgãos avaliam, através do material gráfico contendo os desenhos técnicos, tabelas, memorial descritivo e outros, se o conteúdo proposto produzido até esta fase, atende aos requisitos legais e às normas técnicas de apresentação e representação gráfica emanadas pelos órgãos públicos e deverá incorporar as exigências e as limitações oriundas das normas legais específicas relativas à segurança da edificação, as taxas de ocupação do solo, coeficientes de aproveitamento, recuos e etc., além do Corpo de Bombeiros e concessionários de serviços públicos (Energia Elétrica / Gás / água e Esgoto) com a finalidade de obter a aprovação dos órgãos competentes.

Esta etapa é de extrema importância pois representa a concordância do projeto elaborado pelo (a) arquiteto (a) e urbanista com às normas e leis de âmbito municipal. Assim que o projeto é protocolado para sua aprovação na Prefeitura Municipal (a Secretaria Municipal responsável geralmente é a de Obras, ou Desenvolvimento Urbano), uma equipe de profissionais competentes avalia certos itens e se tudo estiver de acordo, o projeto é aprovado e pode ser executado.

O Projeto Legal corresponde apenas ao Projeto Arquitetônico (Arquitetura de Edificações), pois este é considerado o projeto-base (é a partir dele que são elaborados os demais projetos. Todos os outros projetos são chamados de "projetos complementares".

Os principais projetos complementares dividem-se em:

  • Projeto Estrutural

  • Projeto Hidrossanitário (hidráulico e esgoto sanitário)

  • Projeto Elétrico

  • Projeto de Telefonia, Rede e Dados

  • Projeto de Automação

  • Projeto de Luminotécnica

  • Projeto Topográfico

  • Projeto de Arquitetura de Interiores

  • Projeto de Arquitetura Paisagística

  • Projeto de Condicionamento e Conforto Acústico

  • Projeto de Condicionamento, Exaustação e Ventilação Forçada de Ar

  • Projeto de Prevenção e Combate a Incêndios

  • Projeto de Circulação Vertical (elevadores)

  • Projeto de Circulação Horizontal (esteiras rolantes)

  • Projeto de Sinalização​

[FONTES: CAU | ABNT]