Parque Linear BECO DOS IPÊS

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

LOCALIZAÇÃO: Praia das Gaivotas, Vila Velha - ES

ANO: 2021

ÁREA APROXIMADA: 3.500m²

TIPO DE PROJETO: Projeto de Requalificação Urbana e Arquitetura Paisagística

ATENÇÃO!

Este é um projeto social conceitual de requalificação urbana sem fins lucrativos, elaborado exclusivamente, por livre e espontânea vontade, pela MILWARD ARQUITETURA, cuja proposta é fomentar a participação da comunidade, dialogar entre a sociedade e os órgãos administrativos, entre o poder público e o privado sobre as possíveis soluções de intervenção em ambientes físicos da cidade, visando, de forma democrática, obter a dignidade urbana (salubridade, mobilidade, habitabilidade e segurança) e social, repercutindo no âmbito, entre outros, da saúde, economia, cultura e turismo. 

| Clique nas imagens para ampliá-las |

MEMORIAL DESCRITIVO

Teu município é carente de áreas de lazer? Contudo, não é carente de áreas degradadas e subutilizadas, não é mesmo? Já pensou que onde hoje é uma área de esgoto aberto ser transformada numa área de contato com a natureza e atividades esportivas, de lazer e educacionais?

Quero te apresentar o mais novo projeto social conceitual de requalificação urbana da Milward Arquitetura: o Parque Linear Beco dos Ipês, situado em Praia das Gaivotas, Vila Velha – ES.

O bairro residencial de baixo adensamento foi projetado na década de 1980 para edificações de 1 a 2 pavimentos. Em determinadas áreas, becos permitem o acesso de pedestres entre diferentes quadras, separadas por praças e cul-de-sacs (área final de uma rua sem saída onde os carros fazem a volta) de uso local. Com o passar das décadas, as praças e os becos foram sendo degradados e subutilizados, gerando desvalorização espacial, insegurança, violência e poluição visual e ambiental.

Como resposta a isso, juntamente com outros projetos anteriores em que levanto o tema de “analfabetismo urbanístico”, a ideia desse projeto é, de certa forma, atingir o cidadão comum. Aquele que não é ou que não está inserido dentro da arquitetura e urbanismo e consequentemente da construção civil para clarear e mostrar, através de imagens volumétricas uma proposta (dentre várias possibilidades) de transformar o espaço altamente excludente e desurbanizado em uma área de dignidade social, econômica e ambiental.

Na obra “Cidades para Pessoas”, do arquiteto e urbanista dinamarquês, Jan Gehl, os profissionais devem projetar os espaços de forma a torna-lo convidativo ao pedestre, ciclista e outros meios de transporte não motorizados, abrir espaço de transição entre edifícios e espaço internos e externos e reforçar a longa permanência no espaço público, tendo ele infraestrutura e uso adequados. Ou seja, as cidades devem ser para as pessoas, primeiramente. O autor ainda orienta mecanismos para tornar e/ou fomentar cidades humanizadas, acessíveis e democráticas. A Milward Arquitetura assume o papel ético e profissional e difundir o conhecimento e tornar as cidades em verdadeiros espaços democráticos.

O Parque Linear Beco dos Ipês é uma proposta de requalificação urbana e de arquitetura paisagística que compreende aproximadamente 3.500m² de uso público, divididos em 4 praças e 5 becos, situados entre 9 ruas e uma avenida. As cidades devem ser vivas, seguras, sustentáveis e saudáveis.

As quatro praças possuem propostas diferentes, para abranger todas as idades, introduzir à arte e a convivência popular do cidadão, através de elementos de lazer e cultura. Em cada praça, trabalhei com quatro espécies de ipês com as cores amarela, branca, rosa e roxa. Entre as praças, temos os becos, revestidos lateralmente com tijolinhos e sombreados com pergolados curvilíneos, com arbustos e palmeiras que coroam a entrada-saída. O pavimento é todo anti-trepidante e anti-derrapante para garantir a segurança e acessibilidade universal. Diferentes tipos de revestimento de piso delimitariam espaços para diferentes usos (pedestres, ciclistas, cadeirantes). A boa qualidade e a delimitação física dessas diferentes vias promove a valorização e organização espacial e principalmente: a segurança dos usuários.

O segredo de tudo nessa vida é equilíbrio. E em cidades biofílicas (onde há a ligação com aquilo que é natural), trabalhamos com a junção entre os espaços construídos, seres humanos e a natureza. Ipês floridos, cores, variedade de vegetação. Incentivo ao uso de bicicletas e outros modais de transporte. Arte. Pessoas, vivências e troca de experiências.

Como identidade de meus projetos, toda as cores da vegetação são transmitidas pelos ipês amarelos e rosas, pau-brasil, palmeiras, gramíneas e herbáceas. Todas da Mata Atlântica.

Todo o mobiliário urbano como diferentes tipos de bancos, lixeiras para coleta seletiva e iluminação pública, assim como o deque de madeira uniforme possibilita diferentes materiais, cores e texturas para os usuários e pergolados com acentos para os usuários permanecerem no local. Equipamentos urbanos para incentivar a permanência e o deslumbre pela área urbana requalificada. Espaço público para circulação, lazer, atividades esportivas, turismo. É valorização do espaço, da natureza e principalmente: dos seres vivos!

Devido às ruas possuírem baixo tráfego de veículos, foi recomendado a substituição do asfalto por piso intertravado. Este é mais barato e simples de ser instalado e de realizar sua manutenção, retém menos o calor e permite mais a permeabilidade de águas pluviais.